segunda-feira, 24 de dezembro de 2012

O TEMPO E O VENTO



"Como o tempo custa a passar quando a gente espera. Principalmente quando venta.
 Parece que o vento maneia o tempo." Érico Veríssimo

O Tempo passa como passa o Vento, ambos não se deixam represar, são soberanos no ato de passar...
O Tempo passa e com ele as cores das roupas gastas, as vezes ao ouvir passar o vento sinto falta dos muitos momentos que vestí.

Um navio que vai ao longe com o passar do tempo e já não se lembra do cais, assim passa o vento, ele já não olha para trás

As coisas mais leves o vento não consegue levar:
o carinho de um abraço, o cheiro da manhã, a amizade que conforta. 

Momentos como os pequenos gestos fazem a diferença e duram toda a eternidade, mas as vezes a eternidade pode durar apenas um segundo.

Tão suave como o vento que passa, pode ser o passar do tempo.
Mas tão severo e rude pode ser seu passar que leva tudo ao redor
O Tempo desfolha o sofrimento
E o vento leva para longe as dores

Que suave como o vento que vai passando, seja seu traço na linha do tempo
Que os corações que esfriaram com o tempo, sejam aquecidos com o sopro leve do vento



sexta-feira, 23 de novembro de 2012

COMO FLECHA QUE JOGA-SE AO INFINITO



A confiança é um ato de fé, e esta dispensa raciocínio.” Carlos Drummond de Andrade

Confiança é andar na chuva sem medo de se molhar e ter os braços abertos para o outro entrar.
É conquistar o amor do outro por ti com ações, dedicação e lealdade, é abrir as portas e deixar o amor entrar.

Confiar, é o que os amigos fazem, é ter para onde ir quando se sente só e cansado, é encontrar consolo onde não há nem palavras e alegria que não precisa de sorriso.
É nada dar em troca, e ainda assim sentir-se amado. É ver a verdade ao lado e sentir-se consolado
É nos sentirmos tão à vontade na presença de alguém, como se estivessemos apenas com nós mesmos.

Coloque a lealdade acima de qualquer coisa, abra espaço para a verdade ainda que doída, dedique-se sem medo de errar e aposte sem medo de perder, e a confiança chegará até você.
Confiar é amar com a alma, é enxergar no outro a possibilidade da não recompensa e ainda assim se dispor.

A confiança é conquistada em pequenos gestos, no dia a dia, nas ações mas do que em palavras.
É dar-se por vencido, às vezes, para dedicar a vitória ao outro. É buscar em ti forças para servir e no outro forças para caminhar.
Não se precisa de explicações quando se confia, apenas se deixa guiar E outras vezes explicar significa que confia que o outro irá aceitar ainda que não entenda.

Confiança é a expressão sublime do amor e quando o amor e a confiança se desencontram... Perde-se o tempo, perde-se a verdade, perde-se a chance. Mas há que se esforçar no caminho para colocar de volta aos trilhos, o encontro um do outro.
Confiar é às vezes decepciona-se, mas ninguém agrada o outro sempre e não somos perfeitos, mesmo tentando ser certo, as vezes erramos.
Mas confiar é os erros perdoar,abrir espaço para o perdão e prosseguir.

A confiança grita: Que haja braços sempre abertos, que as palavras sejam sempre compreendidas, e que os passos do outro nos leve de volta para casa.

Termino com este verso de Edolesia Andreazza

É crendo na força do braço
Na existência do ar
No afago da mira
Na competência da mente
Que a flecha (num total abandono)
Joga-se ao infinito

quinta-feira, 13 de setembro de 2012

O VALOR DOS GRANDES GESTOS SÃO ESCULPIDOS PELOS DETALHES



Eu recebí, pelo correio, uma carta de uma amiga, esse gesto motivou a escrita desse texto.

Num tempo onde tudo é otimizado e as pessoas não desejam perder tempo, algo assim representa para mim um presente valiosíssimo.
Me encanto ao me deparar com alguém que ainda dá valor as pequenas coisas da vida.
Uma carta parece algo simples, mas não é, e quando digo isso, não me refiro ao conteúdo, mas sua importância é de saber que alguém pensou em ti e deu alguns segundos do seu tempo
para dizer que se importa.

O fato mais tocante, no entanto, é que não havia um assunto específico.
Apenas dizia que sente o fato de estar distante, mais do que minha ausência na vida dela, sentia o pesar de estar ausente na minha vida.
Que o tempo e a distância não pode ser maior do que tudo o que vivemos.
Perguntava por mim e pelos meus, e contava notícias suas. Apenas isso.

Poderia tê-lo feito por telefone, mensagens, ou e-mail... Tanta tecnologia disponível, mas preferiu fazer a diferença. E isso fez toda a diferença. Não só hoje, mas sempre.
Nos conhecemos no colégio, e os pequenos gestos entre nós fez com que essa amizade hoje com 18 anos, não fosse enfraquecida ou manchada pelos sinais do tempo.

Esses pequenos detalhes é que constroem uma amizade e eterniza laços tão significantes.
O seu tempo é o bem mais precioso que você pode dar a alguém que ama. E isso não tem nada a ver com estar presente.
As vezes alguém tão próximo pode estar mais ausente do que outro alguém a quilômetros de distância.
O tempo que você dedica a quem ama é o que representa, de fato, o quão importante ela é pra você.
Se você não tem tempo para “perder” com quem ama, na verdade amar você é que deve ser uma perda de tempo.

Repense seus valores, brinde as pessoas que lhe são importantes com um gesto inesperado.
Perfume suas mãos com as flores que você distribui.
Pois mais cedo ou mais tarde, você pode olhar ao lado e notar que o tempo que você não doou te afastou de quem te amava e que o tempo que você venha a ter possa não ter com quem compartilhar.

O valor dos grandes gestos são esculpidos pelos detalhes...
Deixe sua alma exposta e ela será amparada por quem te dá valor.

terça-feira, 11 de setembro de 2012

CHOVE LÁ FORA E AQUI UM SILÊNCIO VAZIO...




Chove lá fora e o mundo aqui dentro é só meu...
Tranco as portas e observo;
Pingos constantes na vidraça.
Chove lá fora e em mim o resto é só silêncio
Eu reviro lembranças e papéis antigos
Recordo-me das muitas águas que passaram...

Chove lá fora e chove também dentro de mim
Eu tenho os olhos carregados como as nuvens;
Os pingos em mim, me impede de compor meus versos
A chuva lá fora espelha a chuva que há por dentro

O silêncio vazio que havia aqui...
Fora interrompido pelo barulho da chuva.
Enquanto olho a vida
 passando pela janela;
Observo-me escorrer com as águas...

Chove lá fora...
O vento que veio trazendo a chuva é suave e frio
Ele move delicadamente as folhas das árvores.
As folhas parecem chorar...
Mas sentem-se aliviadas por sentir o toque das águas.

Nos papéis e lembranças que vasculhei
Enlevei-me no som das gotas que batem na janela
Elas parecem bater desesperadas para entrar
Querem ocupar um lugar que lhes pertence
Sem perceber, eu notei... eu sou a chuva!

Sou eu quem quer entrar...
Ocupar dentro de mim um espaço;
Que as muitas águas que passaram
Eu deixei levar...

quarta-feira, 8 de agosto de 2012

CERTAS PALAVRAS MACHUCAM...


Certas palavras machucam como espinhos que fincam no peito e deixam marcas. Tais palavras incertas rasgam por dentro e ferem por fora, e te ferem tão profundo quanto um corte e faz uma cicatriz invisível  e permanente,  e que constantemente será lembrada, mas serve para evitar novos erros e espalhar mais dessas cicatrizes pela sua alma. 

Certas palavras machucam e não se vê o quanto você chora por dentro. Palavras de tão incertas, escapam às vezes. Machucam depois de serem ditas. Mal-ditas.
Nem sempre são ditas com verdade, são pronunciadas por causa da dor, da raiva, do medo, do momento… E se soubessem a dor que causam, antes nunca seriam ditas. 

Certas palavras carregam consigo uma força enorme, as vezes não pelo peso de sí mesmas, mas pelo valor que atribuímos a quem diz tais palavras... A força com que elas são proferidas deixam marcas, e dói. A palavra que fere e dói, ditas no calor de mágoas ou discussões penetram como flecha envenenada. 

Certas palavras incertas nos causam choro e magoam. 
Acho que é porque ficam a ressoar em nossa mente como um eco, e
 os ecos as vezes tomam dimensões que não podemos controlar e seu ressoar pode persistir por muito tempo.

Certas palavras machucam como pedras e o mais interessante é que independe do tamanho da pedra para o tamanho do machucado que  fará. Depende do que “ela” (pedra) representa para cada um de nós, o quão forte a palavra nos atingiu e quem foi que nos atirou tais palavras. 

Certas palavras incertas rasgam por dentro e ferem por fora. E diante de tantas incertezas, todas as desculpas que damos a nós mesmos, não fazem qualquer sentido!
Todas as pessoas são sem dúvida a sombra da indecisão. E sempre sobrará um porquê.

Certas palavras machucam-me e não sei como agir quando elas me ferem, então silencío. 
É porque sei que não se pode combater um incêndio causando outro. Tentar ignorar as marcas é amar, isso amenizará a dor, mas sei que os sinais estarão sempre lá. 

Certas palavras de pessoas que amamos nos magoam, e nada podemos fazer senão continuar o caminho mesmo com nosso coração machucado. 
Às vezes nos falta esperança. Às vezes nos machuca tão profundamente, que só vamos nos recuperando muito lentamente. Mas então descobrimos que precisamos acreditar, tanto quanto precisamos respirar…



Tão importante quanto as palavras que são proferidas são as atitudes que as testeficam, ou as invalidam. Às vezes as palavras que nos machucaram foram ditas por pessoas que nos amam e nos querem tanto bem, e mostraram isso não em palavras, mas em atitudes.
E é por elas que desejamos ficar e não partir. É por elas que superamos e não sucumbimos. 

Perdoar nem sempre significa que você está errado e a outra pessoa certa... Às vezes, significa apenas que o valor que você atribui a esse alguém é infinitamente mais importante do que o seu orgulho.
E isso nada tem a ver com o outro e sim com você mesmo...

sexta-feira, 20 de julho de 2012

A AMIZADE NÃO SE MOVE COM A FORÇA DO VENTO



Amizade é um quadro que se pinta a várias mãos, tem as cores da lealdade, o tamanho da compreensão e a moldura do afeto. É a sensação de poder ver no outro a imagem de um verdadeiro irmão, é fazer parte da história de vida de alguém que cruza o seu caminho.

O amigo não nasce com a gente, mas nasce dentro da gente, num lugar precioso que Deus escolheu, o nosso coração: onde o outro vai se ajeitando, se acomodando e, finalmente, passa a fazer parte da nossa vida. 



Amizade é um querer mais que bem querer, é privar-se de interesses, é estar juntos sem ver o tempo passar, é passar horas sem se quer que sejam ditas palavras. É não medir a distância e o tempo… 


O amigo é uma alma irmã, que se une por laços tão fortes quanto os de sangue, e assume valores como os de pedras preciosas, as mais valiosas que possamos encontrar, são jóias que não tem preço. 

Amizade é rocha que não se move com a força do vento, é presente que não se cansa de abrir, é um afago a alma quando se deseja chorar e um brinde ao coração nas horas de alegria. 

Amigo faz pelo outro aquilo que talvez não faria por sí mesmo, é dar colo, abraço, sorriso, broncas, ou simplesmente não dar nada e ainda assim ser amado, é nada receber em troca, mas sentir-se completo a qualquer hora.

segunda-feira, 9 de julho de 2012

AS ÁGUAS QUE CORREM BRAVIAS SÃO CONTIDAS PELAS MARGENS...


É a natureza e não o martelo que cria com paciência caprichosa as formas na gruta. Onde a dureza só faz destruir, a suavidade consegue esculpir. As águas vão e vem por anos, décadas e pacientemente esculpem a beleza nas pedras, trazem consigo a delicadeza, e ainda que em forma de correnteza, batendo forte nas pedras, não deixa de demonstrar o seu amor.

Assim como as águas que saibamos esculpir nas rochas que encontramos no caminho a beleza que podemos retirar delas, enxergar em cada pedra o que elas podem ter de melhor e pacientemente esperar.

Quando seu coração está disposto a doçura, o sabor açucarado inunda a sua vida e a do outro, porém ser gentil é beneficiar mais a si mesmo do que ao outro… É regar com carinho seus relacionamentos. É a poesia da leveza que nos transforma a inspirar o outro com o amor.

A doçura, a gentileza e o amor têm o poder de transformar profundamente tudo o que tocam... Pense em como tem sido o seu toque ao redor dos outros. Suas palavras tem esculpido a beleza do amor, ou causado mágoas e dor.
As ondas que vem com força, ao voltarem ao mar seguem seu curso sem se dar conta daquilo que levam com elas, mas sempre levam… Assim somos nós quando nossa onda de sentimentos vem com força, ao passar, acaba levando muita coisa com ela, sem se dar conta de quantas pessoas ao redor sentiram o impacto dessa onda.

As águas que correm bravias são contidas pelas margens, ainda assim sentem-se livres… Ora ou outra invadem um espaço que achavam ser delas, mas voltam aos braços do rio felizes em voltar pra casa, pois sabem o que aprenderam no caminho.

Que as águas que passarem por nós encontrem caminhos infindáveis para que possam achar espaço para esculpir a beleza e retirar de nós a suavidade por trás das pedras, e que quando atingidos pelas ondas bravias saibamos ser gratos pelo aprendizado que ela nos proporcionou.

segunda-feira, 4 de junho de 2012

BUSCO QUEM SOU ENTRE AS FOLHAS AO CHÅO



Com a alma leve e o coração transparente
Percebo as folhas que caem das árvores
Elas voam ao soprar dos ventos
E busco em cada uma delas a sombra onde me escondí

Ao caminhar por entre as folhas sinto saudade de mim
Sinto uma brisa fresca e suave
 entre a falta de cores
E a falta que faço a mim mesma escorre pelo chão e se junta as folhas

Vejo partes do meu coração presos em galhos
Esperando que um dia se solte e siga seu curso
Como as folhas de outono que não caem quando querem, mas somente quando chega a hora

Enquanto isso sigo meu curso bailando indiferente entre as folhas
Vejo pétalas de rosas entre as folhas ao chão
E´ como um pincel a dar cores em meio as folhas secas
Sinto a brisa leve e suave me enlevar em seus braços

Ouço o cantar de pássaros e vejo frutos
As árvores a minha frente são repletas de cores
Vejo vida, e  me inebrio com o perfume

Assim percebo a vida, ora um jardim com folhas secas
E por vezes um jardim florido a perfumar meu caminho
Embora muitas sejam as folhas, a raiz é uma só
Sou eu…

As vezes trago um punhado de folhas secas recolhidas pelo tempo
Outras trago um punhado de flores para perfumar,
 colorir e encantar.


Mas sempre levo apenas a mim, a caminhar por entre as folhas…

quarta-feira, 2 de maio de 2012

DEPOIS DE ALGUM TEMPO...




Depois de algum tempo, você aprende a diferença, entre ser amigo e serem amigos, aprende que amar significa apoiar, mas nem sempre receber de volta.
Amar deve ser incondicional, se você esperar algo em troca pode se decepcionar às vezes, e isso quase sempre dói, então ame apesar de...


Depois de algum tempo você percebe que não necessitamos mudar as pessoas se entendermos que as pessoas só mudam por si só e que elas crescem nas mudanças, e que o fato de você se importar não fará com que elas se importem também. Às vezes levamos tanto tempo tentando fazer as pessoas serem aquilo que gostaríamos que fossem, que acaba restando tão pouco tempo para desfrutarmos o que elas são...

Depois de algum tempo você entende que ser compreensivo não significa ser tolerante em qualquer situação, mas apenas que não importa quão delicada e frágil seja uma situação, sempre existem dois lados. E que compreender era a única situação possível para solucionar a questão.

Depois de algum tempo você começa a suportar coisas que antes não deixaria passar, e que isso não faz de você um super herói, apenas faz de você humano e que fez o que era necessário fazer, enfrentando as conseqüências.
Aprende que quando está chateado com alguém, tem o direito de estar com raiva, mas isso não te dá o direito de ser cruel e machucar as pessoas que te ama, só porque talvez elas não agissem como você em certas situações.

Depois de algum tempo você descobre que ouvir palavras tortas de quem ama não significa que esse alguém não o ama de volta, mas simplesmente que essa talvez seja a maneira dele demonstrar que se importa. E que nem sempre é suficiente ser perdoado por alguém, algumas vezes você tem que aprender a perdoar a si mesmo.

Depois de algum tempo você compreende que o tempo não é algo que possa voltar para trás. Então o hoje é seu melhor momento, pois o amanhã possa não estar escrito. Portanto, suportar é tudo que você precisa para encher seu caminho com flores e perfumar assim o caminhar do outro.
Enxergando, assim, que realmente a vida só tem valor se você ama, independente se esse amor volta pra você ou não...


quinta-feira, 8 de março de 2012

O SINÔNIMO DE MIM



As frases que saem de dentro de mim ecoam do lado de fora
Buscam formas onde elas possam se encontrar
Tentam encontrar em cada canto, o sinônimo de mim
Escondidos em lugares que não sei onde

São tempos difíceis para os sonhadores
O sol que passeia em mim, solta chamas que reluzem o caminho
E sei que assim... Os meus passos vão ficar
E minha voz poderá ser ouvida do outro lado

As frases que componho, as vezes me roubam os passos
Essas frases me conquistam e possuem meu interior
Na ânsia e exteriorizá-las meus sentidos se perdem 
Divididos em tantos pedaços, que são difíceis juntar


Quero andar pelos caminhos onde sonhei
Dominar as frases que lá fora ecoam
Refletir o sol escondido em mim
Encontrar os sinônimos de mim escondidos em cada canto

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

PRECISEI ME AFASTAR PARA PERCEBER QUE ME APROXIMEI DEMAIS...



Às vezes preciso aprender a ficar sozinha para ouvir minha própria voz, olhar pra fora de mim para ver se enxergo o que está por dentro.
Ser sozinho não é ser solitário, é estar consigo mesmo em suas escolhas.
É preciso saber ser sozinho para aprender a conviver com os outros.

Não preciso de escoras nem de corrimãos. Sei quem sou.
Eu posso estar sozinha e saber muito bem onde estou.
E ainda que não saiba, penso que as vezes é preciso se perder para conseguir enfim se encontrar.

Estar sozinha é parar para olhar pra mim e num universo hostil aprender a dizer:
Eu parei para me entender e agora estou preparada para entender o outro.
A vida é feita de encontros, de mudanças, porém ninguém muda ninguém e ninguém muda sozinho, nós mudamos nos encontros... Naquilo que acumulamos de cada encontro.

Encontrar-me comigo é deixar para trás as sombras que existiam em mim.
Dentro de mim existe a fonte da minha angústia, mas também reside a minha liberdade.
Afasto-me para fazer sentido...
É necessário, às vezes, se afastar das pessoas que você ama, mas isso não quer dizer que você os ama menos, às vezes você os ama ainda mais...

Ficar sozinho é lidar com as emoções, emergir no amor a sí mesmo, para que ao amar o outro não se afunde sem poder voltar.
Uma hora ou outra, o seu coração te dirá:
Preciso que você se afaste para perceber que se aproximou demais...

domingo, 15 de janeiro de 2012

O APREÇO ÀS RELAÇÕES HUMANAS


Para se construir um relacionamento significativo e de longo prazo com alguém é preciso integridade, e não simplesmente como um acessório, mas como uma exigência. Não abra mão da verdade.
Se não é possível confiar nas pequenas coisas, não é possível confiar de modo algum.

Não há como evitar a influência que os outros exercem sobre nossa vida, mas o seu caminho deve ser trilhado por você, suas escolhas pertencem a você.

Compreender o poder dessa influência nos ajudará a perceber a importância das relações e o quanto permitiremos ser guiados por elas ou não.
Entenda que não é o que fazem a nós que determina o nosso caminho, mas o nosso modo de reagir diante do que fazem e os passos que serão dados por nós.

Por vezes em nossas relações haverá discordância, desencontros e mal entendidos, mas o desejo de olharem juntos na mesma direção, e lutar de mãos dadas por um mesmo propósito enriquecerá a caminhada e o objetivo.
Compreendermos e estarmos, ambos, dispostos à compreensão e ao perdão tornará à construção de uma verdadeira relação, pautadas em amor e respeito.

Nossas relações dizem muito sobre nós.
Muitas vezes nos perguntamos por que pessoas se afastaram de nós, mas não nos damos conta de que somos nós mesmos que as afastamos... Com palavras, atitudes ou mesmo com nosso silêncio e omissão.
Devemos cuidar com apreço daqueles que amamos e nos são importantes.

Precisamos ter zelo ao construir nossos relacionamentos se quisermos que ele seja significativo e não permitir que qualquer um seja nosso amigo ou pertença ao nosso círculo de convivência ou assim pode-se concluir que o preço para tornar-se nosso amigo é muito baixo, ou que pertencer ao nosso círculo possa não ser de grande importância.

A verdade e a integridade deve estar acima de qualquer relacionamento, mesmo que isso signifique perdas em nossas relações, caso aconteça de perdermos alguém por sermos íntegros demais, consideremos isso como ganho e não perda. Não podemos ter receio de nos afastar de quem não aprecie nossa verdade.

Cultivemos relacionamentos que nos levem a algum lugar, e não que nos impeçam de chegar, quem nos ama chora nossas lágrimas e contribuem com nosso sucesso.
Semeie uma semente de integridade no coração das pessoas que ama, e busque encontrar essas sementes com quem se relaciona.

Finalizo com uma frase que define o pensamento aqui discorrido:
"Os relacionamentos que você procura são a terra para a sua semente. Eles aperfeiçoam sua vida ou sufocam a semente. Sua colheita será determinada, basicamente, pela terra de seus relacionamentos, por isso, escolha-os com sabedoria." Robb Thompson

sexta-feira, 6 de janeiro de 2012

GUARDO AS LEMBRANÇAS NO BOLSO

“O tempo não comprou passagem de volta. Tenho lembranças e não saudades.” Mário Lago


Comecei esse texto com essa frase do saudoso Mário Lago, um homem que fora cheio de lembranças...

Minhas lembranças ecoam dentro de mim ora com ternura e singeleza, ora como um tufão a varrer tudo ao redor.
Algumas lembranças moram espersas dentro de uma sala escura, outras vagueiam lado a lado com um grito de alegria.

Viajando em meus pensamentos, vago dentro do mais profundo da minha alma tentando buscar explicações que me fariam entender o porquê algumas lembranças foram morar lá, e ocuparam um lugar que antes não lhes pertenciam.
Me recordo de algo que li de Mario Quintana que dizia: O passado não reconhece seu lugar, está sempre presente.
E é assim, nossas lembranças insistem em preencher espaços, deixando, por vezes, nesses espaços, grande vazio.

Tantas vezes volto atrás, ando em círculos, busco caminhos incertos, chego a me perder e me canso em tentativas aparentemente inúteis de encontrar sentido há algumas lembranças que insistem em perambular por ruas estreitas, tentando fazer com que eu me ausente de mim.

Então mergulho para dentro de mim e guardo minhas memórias no bolso, para caminhar sem perdê-las e para que elas não tomem lugares além daqueles que lhes pertencem
Assim em vez de tentar escapar das lembranças, prefiro mergulhar nelas e voltar à tona com menos desespero e mais sabedoria.

Depois de repousadas minhas lembranças se escondem, porém me dizendo: ainda temos um encontro...
E eu tento faze-las entender que tenho sonhos... Que minha memória não irá esquecê-las, mas o controle delas é meu e os meus sonhos estão adiante.
Minhas lembranças me falam do meu passado, e os meus sonhos me falam sobre meu futuro.

A única razão de sermos tão apegados às lembranças é que elas não mudam, mesmo que tudo ao redor mude, envelheça, cresça e se transforme.
Embora igualmente intensos, lembranças e sonhos ocupam espaços distintos e seus caminhos nem sempre se cruzam...

Então... Guardo as lembranças no bolso e caminho com os sonhos!