terça-feira, 5 de novembro de 2013

EU SOU AS GOTAS DA CHUVA


A chuva que corre lá fora, respinga em mim aqui dentro.
Eu fecho as portas para ela não entrar, mas deixo partes de mim do lado de fora

Enlevei-me no som das gotas que batem na janela
Elas parecem bater desesperadas para entrar
Querem ocupar um lugar que lhes pertence
Sem perceber, eu notei... eu sou a as gotas da chuva
Sou eu quem quer entrar... Ocupar dentro de mim um espaço;
Que as muitas águas que passaram eu deixei levar…

As águas que passaram levaram com elas sonhos que sonhei,
Projetos que não realizei e muito do que conquistei
Mas se as águas os levaram com tanta facilidade
É porque foram sonhos que não foram integralmente sonhados,
Projetos não tão bem planejados e conquistas q não eram minha de verdade.

As gotas que batem na janela são as muitas lágrimas que chorei,
Tantas que eu nem sei…
Mas que fizeram de mim parte do que sou, me construiu e destruiu,
Mas o mais importante é que me ensinaram que a vida é uma eterna reforma,
Desconstrução e reconstrução, pedaços de mim que vai ficando pelo chão
A chuva vai passando, eu sinto o cheiro que deixa no ar,
Cheiro da minha infância, das rodas de amigos interrompidas pelo seu cair,
E das muitas vezes que o seu derramar sobre mim fez renovar-me.

Ela vai embora e eu fico aqui sentindo que mais uma vez ela leva partes de mim.
Porque na verdade a chuva sou eu, é a vida que em mim habita
E que com seu passar vai perdendo partes de sí.