segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

O TEMPO OUVE O CANTO DOS PÁSSAROS


O tempo não é algo que se possa voltar atrás... E ele passa depressa, ora como uma flecha que te acerta sem piedade, ora como um sábio conselheiro.
O tempo que passa... Não passa só, sempre leva algo de nós com ele, ora sonhos simples que ficaram à beira do caminho, ora caminhos integralmente sonhados.

Poderíamos ser como as águas que caminham para o mar sem se apegar aos rios por onde passam. Às águas simplesmente deixam o rio para abraçar o mar, como o orvalho que cai da folha sem se importar com seu destino.
Porém o tempo se impõe a nós, em um despertar contínuo de busca por nós mesmos, ora ele sorri como as estrelas que brilham gratas por iluminarem o céu, ora como um navio que vai ao longe sem se importar com quem ficou no cais.

Às vezes o tempo é empurrado pelo vento como um balão e corremos atrás dele sem nos darmos conta que estamos correndo em direção errada, ele vai ao céu em direção ao seu criador, brindar sua passagem com pingos de chuva.
O tempo faz um dia valer mais que outro dia, e ao passar faz tudo valer á pena, e nos faz enxergar que nem o erro foi desperdício.

O tempo que enxergas diante de ti falará por mim... Ora como alguém que se abandona para ser sozinho, ora abraçando o mundo esperando algum retorno.
Ele ouve o canto dos pássaros e sente o bater de suas asas em vôo, e nada perturba sua passagem, pois ele conhece seu significado. Ele não teme noites sombrias ou tempestades insanas, ele sabe que ainda assim ele vai passar.

O tempo vai passar você vai ver, e o que você vê diante de você será imagens perdidas em lembranças, ora esquecidas e sem voz, ora marcantes e gritando aos seus ouvidos o que ele fora outrora.
Mas é certo ele vai passar, seja com a graça e a leveza das flores, rolando como uma pedra a de um barranco levando tudo que encontra à frente, ou como a chuva que escorre da montanha querendo chegar logo ao rio na esperança de um dia novamente voltar ao mar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário