segunda-feira, 8 de julho de 2013

FECHANDO AS PORTAS PARA O VAZIO LÁ FORA


Eu vou para onde me leva o meu pensamento...
E ele me leva a caminhos onde busco a paz
Quem dera asas eu ter para voar, eu voaria até encontar repouso.
Mas a segurança do chão me ilude
Então fico com os pés presos onde paz, não há...

Às vezes sou empurrado para tão longe que alcanço um ponto além do medo
Onde o silêncio me pede para morar e descanso no barulho que ele faz em mim
Assim venho morar dentro de mim
O único lugar onde me sinto seguro

Dentro de mim habita o sim e o não, o barulho e o silêncio, a noite e o dia
E em todos eles há partes de mim espalhadas
Um lugar onde encontro uma estranha paz, onde sou livre para fazer a coisa certa
porque fazer a coisa certa, as vezes é o mais difícil a se fazer.

Na vida somos nós quem decidimos o que permanecerá eterno em nós, e para onde irá o que não vale a pena.
Afinal a única coisa que podemos controlar são as nossas escolhas.
O tempo não cura a ferida, mas de alguma forma, de um jeito misericordioso diminui o tamanho dela.
E no final o que realmente importou na vida, são as menores feridas

Ao buscar a paz, a guerra pode me encontrar no caminho
E ao retornar o caminho talvez eu perceba que ela habitava dentro de mim
As vezes a luta me esconde o Sol, mas tento não esquecer que minhas maiores lutas travei na sombra.

Talvez eu nunca venha enxergar o que poderia ter sido
E busque constantemente por mim em algum lugar
Mas ao fechar as portas para o vazio lá fora
Encontro a paz que veio morar dentro de mim

Um comentário:

  1. Muito bom, com certeza a pior das coisas é quando o vazio lá fora consegue invadir nosso interior, tornando-o assim temerário, pois no vazio dificilmente sentimentos se criam, se transformam e se propagam.

    ResponderExcluir