sexta-feira, 2 de maio de 2014

ENTRE O PARTIR E O FICAR


Posso ir embora e nunca mais voltar, deixar aqui parte de mim mesma.
Posso me arrepender e um dia voltar, e nada ser como antes, nem mesmo encontrar a parte que deixei.

Posso até ficar, e nada mudar, mas terei que me conformar com isso.
Ou tudo pode mudar e eu terei a certeza de que valeu a pena.

Posso sofrer por perder alguém se eu partir, mas perder não tem nada a ver com partir, posso perder ficando.
Porém se eu perder por ter partido
lembrarei com carinho ou orgulho de algum momento importante na vida.
Se eu ficar e perder, terei perdido também a mim mesma.

Mas entre o partir e o ficar, o que vai me fazer falta mesmo? O que vai doer bem fundo. Que saudades me farão chorar?
Entre o partir e o ficar, encontro o mesmo espaço:
O dos momentos simples:

Os abraços que outrora me fez feliz
Os abraços que em algum lugar me espera.

Do caminho que me levava pra casa, quando a casa era eu mesma.
Do caminho que me levará a algum lugar onde me sentirei em casa novamente,

A diversão natural do sorriso sem compromisso e hoje já são tão poucos.
A diversão natural dos muitos sorrisos que poderei encontrar.

Entre o partir e o ficar, procuro algumas verdades:
O que me deixará em paz comigo mesma;
A renuncia não quer dizer que eu não ame; apenas que me conformei com o que não era para ser
As vezes pra fazer alguém ficar, é melhor deixá-lo partir.

Entre o partir e o ficar existe tanto...

Nenhum comentário:

Postar um comentário