segunda-feira, 23 de dezembro de 2013

A PONTE QUE ME SEPARA DO RESTO DE MIM


Me escondo dentro de mim, ando só com os meus segredos
Vim morar dentro de mim, pois é o lugar onde me sinto segura
Fecho as portas e me tranco dentro de mim, de onde eu não quero mais sair

Ressurgi de onde eu não imaginei...
As vezes acho tudo indiferente e sempre igual
Quase sempre dou o que me custa caro
E o que recebo cabe na palma da mão

As palavras moram em mim
No entanto, elas se perdem no que eu sou
Ao sair perdem a importância que eu as tinha dado
E não ganham a atenção que mereciam de mim, do lado de fora

Não posso atravessar a ponte que me separa do resto de mim
Resta um pouco de tudo em mim nesse lado do rio
Mas e se a travessia me custasse a possibilidade da perda do pouco que ainda reside aqui

Por vezes minha imaginação
caminha para bem longe, procurando um lugar mais calmo
onde a paz se esconde
Mas as pontes que quero atravessar sempre me levam onde não posso ficar

Continuo no caminho... Buscando a ponte que me unirá ao restante de mim

Nenhum comentário:

Postar um comentário